2013-11-14

Como Ganhar OnLine e Salvar Crianças Mortas de Fome

Milhões de crianças a morrer de fome podem salvar-se com milhões de pessoas que poderiam ser mais felizes se as pudessem adotar, com toneladas alimentos no lixo, toneladas de flores para perfumes e decorações que terminam por poluir a atmosfera, contribuir a 7 milhões de vítimas da poluição cada ano...
Muitas crianças morrem de fome porque muitas boas pessoas, com boas intenções impedem adoções.
Há pessoas que mesmo sem saberem são cúmplices das crianças a morrer de fome.
Para salvar milhões de crianças de morrerem de fome parece-me importante selecionar as melhores ideias, inventar outras e divulgar. Para isso proponho esta experiência de ganhar com a divulgação: 
Ao comprar os meus eBooks tem o direito de selecionar 50% para criar os seu PeBook, um personalizado e-book que pode vender com 100% dos lucros mais 50% da promoção do meu original com um link de afiliado. 
Os restos dos alimentos humanos que vão para o lixo aumentar a poluição podem alimentar porcos, galinhas e outros animais.
Recordo políticas europeias de proibir a comercialização de frutas sem certas medidas, limitações da produção de leite e outros alimentos. Certas laranjas e tangerinas do Algarve com medidas “ilegais” inferiores são das melhores que comi. Com cerca de mil milhões de pessoas a passar fome terão sentido as políticas de restrições de produção de alimentos? Não será possível inventar políticas de ética global para dar trabalho a todos e eliminar mortos de fome? 
Certas informações e ideias poderiam passar por peritos em diferentes ramos da ciência para orientarem a economia, política e justiça futura.
A criatividade de uns com a inteligência, eficiência, pragmatismo e conhecimentos de outros pode contribuir ao bom senso da maioria para melhor evolução do futuro.
Muitas vezes a opinião de um especialista bem informado pode valer mais de milhões de opiniões muito populistas mas estúpidas e ignorantes.
Imaginei um movimento cultural, artístico e filosófico a que chamo NEO-Surrealismo para estimular a criatividade e inteligência coletiva para um mundo melhor e sensibilizar a salvar mortos de fome.
Talvez a minha criatividade sirva a pessoas mais pragmáticas, inteligentes e eficientes salvarem mais mortos de fome.
Imaginei um filme NEO-Surrealista de sensibilização para um mundo melhor, ebooks que se tornam PeBooks, (personalizados eBooks) e CeBooks, (coletivos eBooks), com os melhores autores a colaborar na seleção, invenção e promoção das melhores ideias para salvar os mortos de fome.
Milhões de famílias, conviventes ou mesmo pessoas a viver sós poderiam ser mais felizes se pudessem adotar milhões de crianças que morrem de fome. Certas leis, convenções internacionais e burocracias que impedem ou dificultam adoções são um crime legal contra a humanidade. 
Com adoções imediatas, fáceis, não só gratuitas mas com apoio económico, psicológico e consultivo da ONU e voluntários podiam salvar-se milhões de crianças que morrem de fome.
O Papa Francisco enviou uma mensagem ao Diretor-Geral da FAO José Graziano da Silva, no Dia Mundial da Alimentação para educar à solidariedade.
Mas um bispo que gastou milhões de euros em melhoramentos da sua residência com certos luxos atingiu mais voz online, 16.800.000 resultados para "Tebartz-Van Elst", (Google 2013-10-25). 
Os casos negativos fazem mais notícia quando há um movimento geral positivo? Só agora se tornou escandaloso por o Papa iniciar uma renovação da teologia dos pobres?
O mais positivo de muitas religiões e voluntariado com ideais que salvam muitas crianças de morrer de fome faz menos notícia de qualquer pecado das hierarquias.
As religiões, escolas e universidades podem ter um papel preponderante na educação das crianças e jovens para uma melhor sociedade futura.

A Microsoft de Bill Gates pagou 250.000 US$ de prémio a quem colaborasse para a prisão do autor de um dos piores criminosos online. Foi preso e “condenado” a 1 ano e 9 meses de liberdade condicional.
Causou milhões de danos, não pagou a ninguém, não foi para a prisão. Ficou premiado com um emprego numa empresa de anti-vírus e a fama entre muitos fãs. Os piores criminosos online são admirados pelos que se julgam no direito de roubar o bem mais precioso online: o tempo e causar danos astronómicos sem serem punidos. 
Se a justiça alemã não condena os seus cidadãos pelos danos no mundo não deveria existir uma justiça internacional para os danos internacionais?
A punição exemplar de alguns servia de lição para os outros e podiam economizar o tempo dos melhores que se ocupam de salvar milhões de crianças de morrerem de fome. 
Bill Gates deu 28 biliões de dólares à sua fundação Bill & Melinda Gates e em 2008 deixou os negócios para se dedicar com prioridade à beneficência. Se outros milionários dessem como Bill Gates tempo e dinheiro em beneficência não acabariam com os mortos de fome? Ou mais do que dinheiro importa o tempo, criatividade, ideias, educação e inteligência global para melhor utilização dos recursos existentes?
O mundo globaliza-se, cada indivíduo pode fazer bem ou mal a milhões de pessoas com uns cliques no PC. Certa justiça tradicional não condenou autores de vírus com danos enormes, equivalentes a salvar milhares de pessoas mortas de fome. Se os piores criminosos online fossem severamente condenados a trabalhar para repararem os danos que causam serviria de lição para outros e com os danos que se evitavam poderiam salvar-se milhões de inocentes. Se os danos de um só vírus fossem orientados para dar de comer a crianças esfomeadas poderiam salvar-se milhares. Uma justiça que sequestrasse os bens aos piores criminosos e cúmplices para dar meios aos voluntários que trabalham pela beneficência global podia salvar muitos mortos de fome.
Um criminoso na Alemanha sequestrou um milionário, libertou-o depois de receber 17 milhões de euros e foi viver na Argentina. Depois de 2 anos foi preso, passou 15 anos na prisão e foi posto em liberdade para poder continuar a viver do dinheiro roubado. Contribuintes pagaram para a justiça, para 15 anos na prisão e para a continuação do trabalho da polícia internacional a tentar apanhar-lhe o resto do dinheiro.